Como Descobrir se o seu Negócio Tem Futuro?

Quer saber se o seu negócio atual ou se sua ideia de empreendimento é lucrativa, tem futuro ou é realmente viável? Uma ferramenta que pode te ajudar a ter essa resposta certamente é um plano de negócios.

Além de ser um go/no-go de um projeto, um bom #planodenegócios te ajudará a mostrar e a vender sua ideia a eventuais investidores e sócios, vai te ajudar a orientar as suas atividades e a do seu pessoal, vai ajudar no desenvolvimento da sua equipe de gestão, vai deixar claro os objetivos e as metas do negócio, e é um documento importante para obter recursos financeiros no mercado. 


Mas o que é necessário para se elaborar um plano de negócios? Em primeiro lugar é necessário uma boa ajuda profissional! Uma consultoria especializada pode te ajudar na elaboração e formatação do documento, nos estudos de viabilidade que devem estar presentes no plano, na crítica em relação ao seu novo negócio, nas análises, nas definições das premissas e principalmente ser aquela voz exterior atuando como parceiro necessário durante o seu processo de tomada de decisão.


Cada caso é um caso na hora de se montar um plano de negócios. Nunca um plano será igual ao outro, pois cada projeto terá suas particularidades. Mas posso, de forma geral e resumida, listar alguns passos importantes a seguir na hora de montá-lo, independente do tamanho ou do ramo de atuação do seu negócio:


1) Encare a realidade. É necessário encarar a sua ideia como um negócio de verdade. Isso porque tendemos a acreditar que nossas ideias são geniais e infalíveis, porém, na prática, as coisas não são bem assim. Por isso é muito importante lembrar que o plano de negócios deve ser uma ferramenta para testar a viabilidade da ideia e não o documento para justificar uma ideia. Outra pergunta muito importante a se fazer no início é se sua ideia de negócio está alinhada aos seus valores internos.


2) Sumário executivo. Nada mais é que uma carta introdutória onde você expõe a razão pela qual está fazendo o plano de negócios. É hora de contar a história por detrás da ideia, qual o tipo de negócio, qual a necessidade identificada no mercado e como fará para supri-la, apresentar a estrutura legal e etc. Ou seja, um sucinto sumário da empresa.


3) Descrição do Negócio. Aqui você vai discorrer sobre a missão da empresa, os objetivos do negócio, o mercado que vai atingir, as justificativas e etc. Importante salientar que todas as observações baseadas em estudos que citar na descrição do negócio devem conter as fontes e o embasamento teórico.


4) Mercado. É o momento de apresentar qual o mercado que sua empresa vai atuar, qual o público alvo vai atingir, qual a área geográfica será abrangida, qual a estimativa de venda presente e futura, qual a política comercial e os preços que serão praticados. Determinar qual é o crescimento do mercado que vai entrar e determinar qual o % desse mercado deseja atingir com base nas estimativas de vendas dos próximos cinco anos. Momento de fazer uma análise realista dos pontos fortes e pontos fracos dos produtos e serviços que serão ofertados. Fazer uma análise criteriosa em relação à sua concorrência. E é imprescindível ter uma descrição específica e detalhada sobre os seus futuros clientes, qual o estilo de vida deles, o gênero, a idade, a ocupação e assim por diante.


5) Proposta de valor. Simplesmente o ponto mais importante de todos! Uma vez entendido qual é o seu cliente e o que ele quer, você deve ter na ponta da língua e de forma clara o porquê o seu futuro cliente vai te escolher. Por que ele preferirá escolher você à seu concorrente? O que você oferta que supre e cura as dores e as necessidades de seu cliente? Qual é o seu verdadeiro diferencial?


6) Produção. Tenha uma descrição minuciosa do seu produto ou serviço e como será produzido e distribuído. Tenha na ponta do lápis quais são as etapas de fabricação do produto desde a ideia até o momento da venda, e durante esse processo procure sempre identificar o que pode dar errado para ter os remédios para eventuais problemas futuros, ou para poder fazer alguns ajustes no processo antes da implantação da empresa.


7) Estratégia de Marketing/Comunicação. Algumas perguntas devem ser consideradas. Como comunicar a sua proposta de valor? Qual o canal será utilizado, virtual, tradicional ou ambos? Qual a descrição detalhada das ações planejadas (onde, quando, porque e valores). Qual e como será a força de vendas da empresa? Quais os indicadores terá para determinar a efetividade das ações?


8) Recursos humanos. Importante listar qual será a equipe, suas atribuições e objetivos de curto, médio e longo prazos. Descrever quem serão os executivos e quais as competências e experiências que eles tem para fazer a gestão do negócio. Monte um plano de cargos e salários para as pessoas que te ajudarão nessa caminhada e decida se terá ou não um plano de distribuição de lucros.


9) Análise SWOT. Faça a análise honesta de quais as oportunidades, riscos, ameaças e fraquezas do seu negócio. E se possível faça esse exercício com pessoas que não estão envolvidas no seu projeto.


10) Análise financeira. Depois de tudo posto, é chegada a hora da análise de quanto a empresa vai gerar de dinheiro, quanto vai precisar para operar, quando vai precisar de dinheiro e onde vai obter esse dinheiro. É nessa hora que verificamos a necessidade de investimento, o ponto de equilíbrio, montamos o DRE e fluxo de caixa para um universo de 5 anos e verificamos todos os indicadores de viabilidade financeira. O DRE e o fluxo de caixa devem ser o reflexo de todas as premissas anteriores citadas no plano de negócios. E com base neles, monte os KPIs que deverá analisar mês a mês para ter o controle da saúde financeira do seu empreendimento.


Tratei aqui apenas de questões gerais que devem ser levadas em consideração na construção do seu plano de negócios, mais saiba que existem também algumas outras a serem analisadas em detalhes, mas já dá uma ideia do tamanho da complexidade e porque a ajuda profissional pode facilitar. Por esse motivo, não deixe de contar com nossa ajuda na hora de construir o seu plano de negócios.


O plano é realmente uma ferramenta fantástica para verificar se seu negócio é viável e sustentável, mas vale lembrar que na conclusão dele, talvez seja indicado que será necessário mudar algo. Por isso, seja flexível para adaptar ou até reinventar a ideia original em função dos resultados obtidos durante o planejamento, devido à resposta do mercado ou devido às análises. 


E se após todas as conclusões, a ideia valer o esforço, siga em frente. Caso contrário, não desanime! Há inúmeras oportunidades por aí, e ideias incríveis esperando serem testadas.


Sobre o autor: Luiz Mar é Administrador graduado pela UFPR, com MBA em Direção Estratégica e Pós-Graduação em Finanças Empresarias. Criador doEmpoderamento Financeiro onde ensina Inteligência Financeira e Investimentos, é profissional da área financeira e há mais de 15 anos trabalha com planejamento financeiro na Mondelez Internacional. Na Update Consultoria, onde é sócio por mais de 5 anos, ajuda empreendedores e profissionais com treinamentos, investigação apreciativa, plano de negócios, plano financeiro, estratégia e finanças pessoais.

0 visualização