Investigação Apreciativa: Não alimente os monstros e não cace as bruxas.

Os avanços tecnológicos, as expectativas dos consumidores e as realidades globais estão paulatinamente, transformando a maneira com que as organizações se relacionam interna e externamente. Por conseguinte, os modelos de gestão, ultrapassados devido à sua rigidez, estão sendo cada vez mais questionados e revistos.

Em contraponto à maioria das abordagens de desenvolvimento organizacional que são centradas em problemas, identificando-os, "alimentando os monstros", colocando-os como a "coisa mais importante" e propondo soluções plausíveis para solucioná-los, eis que surge a Investigação Apreciativa.



A Investigação Apreciativa ou Appreciative Inquiry é uma metodologia que foge do senso comum. Com sua abordagem construtiva, baseada na positividade sem clichês, muda e desenvolve pessoas e organizações de qualquer segmento. Cria um processo de mudança e crescimento baseado naquilo que as pessoas e as empresas tem de melhor, um caminho que as leva ao melhor que podem ser. Ela tira o foco dos problemas, mas reforça o queremos que seja melhor e o que podemos fazer para que isso aconteça.

Não é focando, por exemplo, porque o turnover está alto, mas como fazer com que o turnover seja o mínimo ou inexistente. Não é buscando as razões do que não deu certo, por que a intenção disso na maioria das vezes, é achar os culpados pelos erros, fazer "correções", "caçar as bruxas" e fazer punições. Esse comportamento gera baixa autoestima, passividade, medo, desânimo, revolta... que drenam a vida e são totalmente o oposto do que se pretende criar nas organizações.


O espírito da Investigação Apreciativa é sonhar e realizar com o que já temos de melhor, com aquilo que é nossa fortaleza, com o que poderia ser. Isso enaltece a criatividade, a inovação, a motivação, e traz a alegria de viver. É uma abordagem para a mudança, com a busca pelo melhor das pessoas, das organizações e do mundo ao seu entorno. A Investigação Apreciativa concentra as novas formas de pensar sobre metas, estratégias e resultados. Reúne as reflexões do grupo, criando uma visão compartilhada com poder de mobilização e integração social através da comunicação dos indivíduos, do diálogo e do relacionamento entre as pessoas.


Em Curitiba a Update Consultoria, criou uma ferramenta própria, baseada na Investigação Apreciativa, para ajudar pessoas e empresas a resolver seus problemas comportamentais ou de processos: trata-se do Canvas da Mudança Positiva.



Basicamente através dele determinamos primeiramente qual será o tópico afirmativo (o aspecto a ser trabalhado, o ponto mais importante, crucial e estratégico de toda a aplicação) que é determinado após entendimento junto ao cliente. Após isso seguimos com o ciclo dos 4D´s da Investigação Apreciativa, com uma série de dinâmicas, atividades e worshops que se complementam e vão ajudar as pessoas a desenvolver o trabalho nos seguintes aspectos:


Quadrante da Descoberta (Discovery): É a fase em que descobrimos o que a pessoa ou a organização tem de melhor. Aqui, as pessoas compartilham histórias de sucesso, superação, descobrem os fatores cruciais das conquistas, encontram pontos em comum, dialogam e se descobrem, tudo sobre uma ótica positiva e construtiva.


Quadrante do Sonho (Dream): A fase do sonho envolve desafiar o status quo, criando uma visão dos resultados, uma visão do desejo comum do grupo. É um tempo para que os participantes se engajem com o propósito de ‘pensar grande’, ‘pensar fora da caixa’, e de ‘pensar fora dos limites’ do que existiu no passado, descrevendo seus desejos e sonhos para o futuro do seu trabalho, suas relações de trabalho, sua organização e sua vida.


Quadrante do Planejamento (Design): A fase de planejamento é a criação daquilo que é necessário para se atingir o sonho utilizando os pontos em comum determinados na fase da descoberta. Tanto a fase de sonho quanto a de planejamento envolvem a construção coletiva de imagens positivas em relação ao futuro.


Quadrante do Destino (Destiny): A fase de destino é parte mais racional da dinâmica. É o consenso do grupo sobre o que precisa ser feito, como, quando e por quem vai ser feito. É o momento da concretização do aprendizado, o estabelecimento do compromisso mútuo para que a transformação e o ambiente positivo seja contínuo. 


O Canvas é o guia, é a materialização visual do trabalho, é a assinatura em conjunto dos participantes e o mapa que vai direcionar as pessoas ao atingimento das metas e dos compromissos estabelecidos.


Mas porque contratar uma Consultoria para aplicar a metodologia da Investigação Apreciativa em minha vida ou na minha empresa?


1) Para solucionar os mais diversos problemas que talvez você, sua família e sua empresa estejam passando;

2) Fazer o fortalecimento das relações interpessoais.

3) Criar um ambiente de empatia e identificação;

4) Fazer o desenvolvimento organizacional e a retenção de talentos;

5) Aumentar a criatividade e inovação dos funcionários;

6) Ajudar na gestão de mudanças ou nos mais diversos momentos de transformação;

7) Fomentar a motivação;

8) Fazer a gestão de conflitos;

9) Facilitar a geração de ideias de produtos e serviços;

10) Fazer o alinhamento da estratégia;

11) Perpetuar Missão, Visão e Valores;

12) Nos mais diversos tipos de treinamentos e sessões de Brainstorming.


Esses são apenas alguns aspectos em que a IA pode ser aplicada na prática. Cada caso é um caso, e cada trabalho sempre é ajustado de acordo com as necessidades das pessoas e dos clientes. Abaixo algumas empresas que usaram a Investigação Apreciativa com grande sucesso:


Nos EUA: NASA,Shell, British Airways, PriceWaterhouseCoopers, BP América, GTE, Omni Hotels, Myrada, Syntegra, DTE Energy Services, Star Island Corporation, Hunter Douglas Window Fashions Division e McDonald’s. ONGs norte-americanas como Nature Conservancy, Imagine Chicago, Imagine Dallas, American Hospital Association, Group Health Cooperative e The Mountain Forum também experimentaram excelentes resultados. Organizações internacionais como a Universidade Espiritual Mundial Brahma Kumaris e a United Religions International também utilizam as entrevistas apreciativas. Esta última desde sua criação, em 1998.


Na América Latina: Governo do México, Avon México, Techint na Argentina. Companhias brasileiras como Nutrimental, Votorantim Metais, Alstom Brasil, SHN, Autopeças ROLES, Farma & Cia, Birello Calçados, CIMCORP, Fundação CESP, Suzano e Bahia Sul Celulose, Institutos Ethos e Elos.


A Investigação Apreciativa está além de uma mera descoberta acadêmica, ou de um método de intervenção, mas é uma atitude autenticamente amorosa de aceitação da realidade, das empresas e das pessoas como elas de fato o são, cheias de disparidades, divergências, dialéticas e incongruências, mas, ainda assim, ímpar, frutífera, potencialmente belas e inesquecíveis.


E sem sombra de dúvidas, incutir uma cultura positiva e construtiva dentro da sua organização ou da sua vida, transforma a maneira de ver as coisas e os problemas, potencializa resultados, aumenta a sintonia, aumenta a colaboração e impulsiona a criatividade e a inovação tão importantes nos tempos atuais.



Sobre o autor: Luiz Mar é Administrador graduado pela UFPR, com MBA em Direção Estratégica e Pós-Graduação em Finanças Empresarias. Criador do Empoderamento Financeiro onde ensina Inteligência Financeira e Investimentos, é profissional da área financeira e há mais de 15 anos trabalha com planejamento financeiro na Mondelez Internacional. Na Update Consultoria, onde é sócio por mais de 5 anos, ajuda empreendedores e profissionais com treinamentos, investigação apreciativa, plano de negócios, plano financeiro, estratégia e finanças pessoais.

52 visualizações