top of page

Pare de Focar no Lucro e Comece a Focar na Geração de Caixa

Apenas pare de focar tanto no lucro e comece a focar na geração de caixa.

O lucro é importante sim, mas ele é apenas uma medida contábil. O lucro não te conta, por exemplo, o quanto de dinheiro a sua empresa recebeu e o quanto você tem disponível para gastar agora, nesse exato momento.

Muitas vezes o fato da sua empresa ter lucro não significa que sua conta bancária aumenta na mesma proporção. Muito pelo contrário, na maioria das vezes, na verdade, a quantidade de dinheiro até diminui.

Ah! Mas se minha empresa tem lucro, eu não deveria estar ganhando dinheiro? Fiquei perdido! Como pode ser isso?

Quando você entende a diferença que existe entre lucro e dinheiro em caixa você passa a ter a resposta para essa pergunta.


DRE Mostra o Lucro e é Competência

Para ter o mínimo de gestão sobre suas finanças, TODAS as empresas, independente do seu tamanho, devem ter os dois documentos básicos de demonstração financeira que são o Demonstrativo de Resultado e o Fluxo de Caixa.

A lucratividade e a rentabilidade da sua empresa você gerencia e acompanha pelo Demonstrativo do Resultado. O DRE simplesmente é a prova de que sua operação é viável ou não.


Ao montar um demonstrativo de resultado, você utiliza o princípio contábil pela competência, que se refere à quando as receitas e despesas devem ser reconhecidas. Em outras palavras, a competência determina o período em que as transações financeiras são registradas. De acordo com o princípio da competência, as receitas devem ser reconhecidas no período em que são ganhas, independentemente de quando o dinheiro é recebido. Isso significa que uma receita é registrada assim que o serviço é prestado ou o produto é entregue, mesmo que o pagamento do cliente ocorra posteriormente.

Exemplo, se você faz uma venda de R$1000,00 em janeiro, mas vendeu a prazo de 30 dias, os R$1000,00 vão aparecer no seu DRE de janeiro, mas eles só vão aparacer na sua conta bancária, afetar positivamente seu caixa em Fevereiro.

Da mesma forma, no DRE, as despesas devem ser registradas no período em que são incorridas, independentemente de quando o pagamento é feito. Por exemplo, se uma empresa compra suprimentos em um determinado mês, mas paga por eles no mês seguinte, as despesas devem ser registradas no mês em que os suprimentos foram adquiridos.

Isso é um DRE por competência, cujo objetivo é fornecer uma visão precisa e relevante do desempenho financeiro da empresa em um determinado período (geralmente mensal, trimestral, anual). Ao utilizar esse princípio, é possível comparar os resultados financeiros de diferentes períodos e tomar decisões na sua operação e estrutura de receitas e gastos com base nas informações atualizadas e consistentes.

Fluxo de Caixa é Dinheiro no Banco

Já o dinheiro em caixa você vê no documento contábil de Fluxo de Caixa que reflete o que você tem disponível em conta. Ele te mostra basicamente três coisas:

1. Quanto do seu LUCRO se converte em CAIXA/DINHEIRO;

2. Como esse CAIXA/DINHEIRO tem sido utilizado;

3. Porque o saldo da conta bancária da sua empresa aumenta ou diminuiu.


O FLUXO DE CAIXA, por sua vez, pode ser dividido em 3 sessões:

1. Fluxo de caixa das atividades operacionais;

2. Fluxo de caixa das atividades de investimento;

3. Fluxo de caixa das atividades de financiamento;


O Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais

O fluxo de caixa advindo de atividades operacionais fornece informações sobre as transações de caixa geradas pelas atividades principais de uma empresa, ou seja, as transações relacionadas à produção e venda de bens ou serviços. Elas incluem:

A) Recebimento de vendas de bens ou serviços: Isso envolve o recebimento de pagamentos dos clientes relacionados às vendas realizadas pela empresa. Esses valores são considerados fluxos de caixa positivos.

B) Pagamentos a fornecedores: Essa atividade abrange o pagamento de bens ou serviços adquiridos pela empresa para serem usados em suas operações. Esses pagamentos são considerados fluxos de caixa negativos.

C) Pagamentos de salários e despesas operacionais: Inclui o pagamento de salários aos funcionários e despesas operacionais, como aluguel, serviços públicos, marketing, entre outros. Esses pagamentos também são considerados fluxos de caixa negativos.

D) Pagamentos de impostos e juros: Inclui o pagamento de impostos sobre as atividades operacionais e juros sobre dívidas relacionadas às operações comerciais da empresa. Esses pagamentos são considerados fluxos de caixa negativos.

E) Recebimento ou pagamento de dividendos: Se a empresa receber dividendos de investimentos em outras empresas, esses valores são considerados fluxos de caixa positivos. Por outro lado, se a empresa pagar dividendos aos acionistas, esses valores são considerados fluxos de caixa negativos.


Ou seja, o fluxo de caixa das atividades operacionais te conta:

1. O quanto do lucro veio da operação (diferença entre receita menos todos os custos e despesas) e o quanto disso foi convertido em dinheiro disponível em caixa;

2. O quanto de dinheiro a sua empresa fez e o quanto você tem na conta bancária;

3. Como os prazos de recebimento e pagamento estão afetando o saldo da conta bancária do seu negócio;

O Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento

O fluxo de caixa das atividades de investimento registra as transações de caixa relacionadas aos investimentos. A compra e venda de ativos de longo prazo, como imóveis, equipamentos, veículos e investimentos em outras empresas. Além disso, também incluem empréstimos concedidos a terceiros e a obtenção de recursos por meio de empréstimos.

Aqui estão alguns exemplos de transações relacionadas às atividades de investimento:

A) Compra ou venda de ativos fixos: Quando uma empresa adquire um novo equipamento, veículo ou imóvel, isso resulta em uma saída de caixa e é considerado um fluxo de caixa negativo. Da mesma forma, se a empresa vender um ativo fixo, como um equipamento antigo, e receber dinheiro em troca, isso é considerado um fluxo de caixa positivo.

B) Aquisição ou venda de investimentos: Se a empresa comprar ações ou títulos de outras empresas como investimentos, o pagamento por esses investimentos será registrado como um fluxo de caixa negativo. Por outro lado, se a empresa vender esses investimentos e receber dinheiro em troca, isso é considerado um fluxo de caixa positivo.

C) Empréstimos concedidos a terceiros: Se a empresa emprestar dinheiro a terceiros, o montante emprestado será registrado como um fluxo de caixa negativo, uma vez que é uma saída de caixa para a empresa.

D) Recebimento de empréstimos: Se a empresa receber um empréstimo de um banco ou outra instituição financeira, o valor do empréstimo será registrado como um fluxo de caixa positivo, pois a empresa está recebendo dinheiro.

O fluxo de caixa das atividades de investimento é importante para avaliar os gastos de capital da empresa, suas decisões de investimento em ativos de longo prazo e a realização de investimentos financeiros. Ele ajuda a entender se a empresa está investindo seus recursos de forma eficiente e se está obtendo retornos adequados sobre esses investimentos.

Resumindo, o fluxo de caixa das atividades de investimento te conta:

1. Que ativos a sua empresa comprou e no que ela investiu? Propriedades, máquinas, equipamentos, softwares, ou qualquer outro ativo que tenha o objetivo de manter o negócio em funcionamento, e de como isso tudo afetou o saldo da sua conta.

2. Sua empresa fez alguma fusão, aquisição ou venda?


O Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamento

O fluxo de caixa das atividades de financiamento registra as transações de caixa relacionadas ao financiamento da empresa por meio de recursos externos. As atividades de financiamento envolvem a captação de recursos financeiros externos para a empresa, bem como a distribuição desses recursos aos proprietários e credores. Essas transações afetam a estrutura de capital da empresa e podem incluir:

A) Emissão ou recompra de ações: Se a empresa emitir novas ações e receber dinheiro em troca, isso é registrado como um fluxo de caixa positivo. Por outro lado, se a empresa recomprar suas próprias ações, resultando em uma saída de dinheiro, isso é considerado um fluxo de caixa negativo.

B) Emissão ou pagamento de dividendos: Quando uma empresa distribui lucros aos acionistas na forma de dividendos, o pagamento desses dividendos é registrado como um fluxo de caixa negativo. Se a empresa receber dividendos de outras empresas em que investe, esses valores são considerados fluxos de caixa positivos.

C) Emissão ou pagamento de dívidas: Se a empresa emitir títulos de dívida, como títulos corporativos ou empréstimos, e receber dinheiro em troca, isso é considerado um fluxo de caixa positivo. Por outro lado, quando a empresa paga suas obrigações de dívida, resultando em uma saída de dinheiro, isso é registrado como um fluxo de caixa negativo.

D) Financiamento de leasing e arrendamentos: Se a empresa obtiver financiamento por meio de leasing ou arrendamento, os pagamentos feitos para essas obrigações são considerados fluxos de caixa negativos.

E) Empréstimos obtidos ou reembolsados: Quando a empresa obtém um empréstimo de uma instituição financeira e recebe dinheiro, isso é registrado como um fluxo de caixa positivo. Por outro lado, quando a empresa reembolsa o principal de um empréstimo, resultando em uma saída de dinheiro, isso é considerado um fluxo de caixa negativo.

O fluxo de caixa das atividades de financiamento é essencial para entender como a empresa está financiando suas operações e investimentos, e como ela está lidando com suas obrigações de pagamento. Ele oferece informações importantes sobre a estrutura de capital da empresa, suas políticas de distribuição de dividendos e sua dependência de financiamento externo.

Ou seja, o fluxo de caixa das atividades de financiamento te conta:

1. Se sua empresa recebeu capital de investidores;

2. Se sua empresa pagou empréstimos e financiamentos;

3. Pagamento de juros, pagamento a acionistas e assim por diante...


Concluindo

O resultado das três contas (atividades operacionais, atividades de investimento, e atividades de financiamento) mostra tudo o que se passou no seu Caixa, totaliza a variação do seu Fluxo de Caixa e o quanto de dinheiro realmente vai ficar no banco, em mãos, no final do mês.

E isso, na verdade, é o que importa no final das contas...

Assim:

1) LUCRO é só uma medida contábil e você identifica via DRE;

2) LUCRO não te conta quanto de dinheiro ficou na sua conta bancária e o quanto de caixa a sua empresa gerou;

3) O segredo da boa administração financeira é você entender o que causou a diferença entre seu LUCRO e seu CAIXA;

4) O FLUXO DE CAIXA te conta exatamante o quanto do LUCRO virou de fato CAIXA.

Quer aprender mais sobre análise e planejamento financeiro empresarial? Então participe do curso Finanças para Empreendedores e Profissionais Não Financeiros: www.seumelhorresultado.com.br/fe


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page